Procurando uma Igreja ?

QUEM SÃO OS BATISTAS?

Têm os Batistas convicções em comum com outros cristãos?
Sim, os Batistas têm muitas convicções em comum com outros cristãos: acreditam em Deus como Criador de todas as coisas e como Pai Celestial que chama a si todos os homens. Os Batistas crêem em Jesus Cristo, como Filho de Deus encarnado e como Salvador de todos aqueles que nele tem fé. Os Batistas crêem no Espírito Santo com guia sempre presente, que proporciona o conhecimento cristão da vontade de Deus e o poder para seguir a Cristo na vida diária. Crêem que a igreja é constituída do povo de Deus que rende culto ao Onipotente, que dá testemunho do seu amor e serve aos seus semelhantes em nome de Cristo e crêem na inspiração e autoridade da Bíblia.

Por que os Batistas formam à parte uma família de cristãos?
A resposta está no seguinte conjunto de convicções mantidas pelos Batistas: Os Batistas crêem que Jesus Cristo é o Senhor e tem plena autoridade nos céus e na terra. Crêem que toda pessoa deve reconciliar-se com Deus mediante o arrependimento de seus pecados e a fé pessoal no Senhor Jesus Cristo. Crêem que o batismo segue a profissão pessoal de fé em Cristo, e introduz o crente na igreja. Os Batistas crêem que Deus dotou cada homem de dignidade pessoal e liberdade de escolha, e que toda criatura humana deve fazer suas próprias decisões acerca de sua fé. Crêem que todo cristão tem responsabilidade de dar testemunho de Cristo, fazendo-o por palavras e ações.

Qual o conceito dos Batistas sobre a autoridade do Senhor Jesus Cristo?
Os Batistas crêem que a mais alta lealdade dos crentes é devida a Jesus Cristo e não a credos, tradições ou instituições religiosas. A suave vontade do Senhor Jesus Cristo está intrinsecamente ligada a todo cristão. A autoridade de Cristo também significa que ele é Senhor da Igreja. Nenhum ministro, sacerdote, bispo ou papa tem o direito de exercer a autoridade como se fosse o próprio Cristo (Mateus 28:18). Todo homem tem acesso direto a Deus e o direito de responder por si mesmo, e de alegrar-se com a presença do Senhor no culto e no serviço. A autoridade de Cristo abrange também os valores morais. Ele satisfaz às mais profundas necessidades de cada homem e acende as mais elevadas aspirações nos seus seguidores. A experiência humana em todos os tempos confirma a verdade dos ensinos do Senhor Jesus Cristo. Paz, justiça e compreensão só se tornam realidade quando Jesus domina.

Qual o conceito de fé pessoal?
Há muitos conceitos de fé. Alguns a consideram como um credo ou um conjunto de preceitos a que devemos obedecer. Outros vêem nela algo em que temos que acreditar, a despeito da razão. Os Batistas, porém, crêem que a fé equivale à confiança e ao compromisso individual. A fé constitui valor espiritual que consideramos acima de nós mesmos. Existe algo terrivelmente errado no homem. A Bíblia revela que todos os homens pecaram (Romanos 3:23). Nosso mundo não se tornará melhor enquanto o homem não for mudado por dentro. Essa transformação somente será possível pela graça de Deus através da fé em Jesus Cristo (Efésios 2:8). A Bíblia também nos diz que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). Uma vida nova é oferecida a todos, pois Deus enviou “seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa... a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós” (Romanos 8:3,4). Jesus Cristo é Senhor e Salvador. Sua autoridade é exercida em misericórdia. A fé e a submissão a Cristo devem ser pessoais. Não é possível ter fé por procuração. O homem não nasce com sua fé, nem esta pode ser-lhe proporcionada por outro. Um ser humano pode ter nascido no seio de uma família cristã, ou num país considerado cristão, mas isso não o faz cristão. Uma pessoa somente é cristã por sua fé pessoal e submissão pessoal ao Senhor Jesus Cristo.

Por que os Batistas praticam o batismo só de crentes?
Os batistas crêem que a fé surge antes do batismo, e não o batismo antes da fé. Não há regeneração ou salvação no ato do batismo propriamente dito. O batismo é um ato simbólico significando a passagem do crente da vida anterior cheia de pecados, para uma vida nova (Romanos 6:4). A simbolização do sepultamento da vida passada e a ressurreição para uma vida nova observa-se claramente no ato da imersão, que os Batistas crêem ser a forma bíblica de batismo . Os Batistas não batizam crianças que ainda não estejam em condições de sentir a fé salvadora pessoal.

Qual o conceito Batista sobre a igreja?
Os Batistas crêem que a autoridade de Cristo está diretamente relacionada com a igreja. Deus “pôs todas as coisas debaixo dos seus pés e, para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, a qual é o seu corpo” (Efésios 1:22,23). A igreja total é o corpo de Cristo, compreendendo todos aqueles que consideram a Jesus Cristo como seu Senhor. Os Batistas também crêem que a igreja aparece visivelmente nas congregações locais onde os seguidores de Cristo louvam a Deus em conjunto, propagam o evangelho, ensinam as verdades cristãs e procuram incrementar a santidade de vida e o uso cristão dos bens entre seus membros. Uma igreja local é uma associação de cristãos que irradiam testemunho e serviço pela comunidade e, em cooperação voluntária com outras igrejas, pela humanidade inteira. É organizada conforme o princípio de que todos os membros são iguais em direitos e deveres. A igreja é de estrutura congregacional, e utiliza o processo democrático para as decisões de assuntos administrativos, considerando o Espírito como guia sempre presente, que lhe capacita para levar avante a missão de Cristo. (Atos 1:8).

Como observam os Batistas a Ceia do Senhor?
Para os Batistas a ordenança da ceia do Senhor é um ato simbólico em memória da morte e ressurreição do Senhor Jesus Cristo, ato de que participam todos os crentes. A observância da ceia é ocasião de auto-exame, reavivamento e ações de graças dos membros da igreja. Os Batistas não crêem que o pão e o vinho sejam literalmente transformados no corpo e sangue de Cristo, mas a cerimônia focaliza unicamente um ato simbólico.

Como as Igrejas Batistas trabalham em conjunto?
Os Batistas crêem que a igreja local deve ser livre para fazer aquilo que considera o melhor sob a orientação do Espírito Santo, com o propósito de cumprir a comissão de Cristo. Cultivando a maior camaradagem entre os crentes e desenvolvendo programas além de suas possibilidades locais, a igreja é livre para associar-se com outras de objetivos semelhantes. Os Batistas se reúnem, portanto, em associações, conferências, convenções e uniões nacionais, culminando na Aliança Batista Mundial. Mas a igreja local permanece soberana. Se bem que tenham suas convicções e conceitos básicos em comum, os Batistas não sustêm os mesmos pontos de vista e opiniões em cada localidade. O extraordinário entretanto, não são as divergências de práticas, mas o grau de coesão alcançado através da colaboração voluntária.

Como começou o Movimento Batista?
Os Batistas não reconhecem um líder como “fundador” do Movimento Batista. Igrejas do tipo batista surgiram à vezes espontaneamente mediante estudo da Bíblia. No século dezesseis, as igrejas anabatistas surgiram paralelamente aos movimentos de reforma da a Europa Central. No século dezessete as igrejas batistas foram instituídas com vínculos no movimento puritano da Inglaterra. A perseguição sobreveio a esses crentes de fé não conformista em regiões onde era limitada ou negada a liberdade de consciência, e também quando a igreja oficial e o Estado prescreviam a crença a ser obedecida. O Movimento Anabatista na Europa Continental foi cruelmente esmagado pelas igrejas oficiais. Os “separatistas” ou não conformistas da Igreja da Inglaterra foram forçados a fugir a esconder-se. Um desses grupos migrou da Inglaterra para Amsterdã (Holanda) sob a liderança de John Smith. Em 1609, eles organizaram uma nova igreja nessa cidade, onde a condição de membro se baseava na profissão de fé pessoal, voluntária, procedendo ao batismo. Dois anos mais tarde, alguns desses membros da nova igreja, dirigidos por Thomas Hellws, retornaram à Inglaterra e lá tomaram parte no crescente Movimento Batista, que através de Migrações se espraiou pela América. O grande movimento missionário iniciado com William Carey, da Inglaterra, em 1872, disseminou convicções batistas até ao Extremo Oriente e, mais tarde, por quase todo o mundo. Em alguns países, como a Rússia em 1867, o Movimento Batista começou espontaneamente com pessoas que formaram suas convicções iluminadas pela leitura do Novo Testamento.

Por que estão os Batistas empenhados em Evangelização e em Missões?
Os Batistas crêem que a missão de testemunhar (Atos 1:8) e de conquistar novos discípulos (Mateus28:19,20) é dever de cada crente. Todo cristão é uma testemunha. Sua vida e palavras revelam aos outros sua fidelidade a Cristo. O sal deve salgar, se é sal, e a luz terá que brilhar, se é luz (Mateus 5:13,14). Os Batistas procuram dar testemunho de Cristo em todas as nações do mundo. Têm grande empenho em tornar a Bíblia acessível ao povo, em sua própria língua. Seu esforço missionário inclui auxílios para saúde e educação , ajuda aos que sentem fome, aos que estão sem agasalho e sem lar. Eles crêem que todas essas obras devem ser feitas em nome de Cristo, e não apenas como um esforço humanístico, alheio ao Mestre (João 15:5). Os Batistas crêem que a pregação do Evangelho deve ser irmã gêmea do serviço aos nossos semelhantes, pois Cristo devotou seu ministério terreno aos pobres, aos oprimidos e aos que sofriam (Lucas 4:4-21). O julgamento final de Cristo será baseado em nossa compaixão para com os outros, compaixão esta que exprime a nossa fé (Mateus 25:31-46).

Por que estão os Batistas interessados na liberdade religiosa?
Deus criou o homem à sua própria imagem e o dotou de inalienável direito à liberdade. A lei moral de Deus requer que o homem seja livre para que possa tornar-se responsável. Os Batistas crêem que todos os homens devem ser livres para seguir sua consciência em matéria de religião, e que a autoridade civil ou política não tem o direito de traçar normas para a vida religiosa dos cidadãos. Esta liberdade é mais que tolerância, porque a simples tolerância leva a cogitar sobre quem é que tem o direito de tolerar a outrem. O Estado não tem competência para afirmar ao cidadão em que ponto sua religião está certa ou errada .Quando os homens procuram controlar as igrejas com objetivos políticos, a vida espiritual das igrejas está ameaçada, e quando uma igreja usa o Estado para impor seus credos, comete violência contra a dignidade da criatura humana, proporcionada pelo Criador. Os Batistas não buscam essa liberdade só para si. Eles lutam por esse direito para todos os homens. Cada pessoa deve ter o privilégio de professar e propagar sua fé ou descrença, fazendo-o a seu próprio modo, contanto que não interfira na ordem ou segurança pública, ou ainda nos direitos dos outros.

Vivem os Batistas conforme suas convicções?
Os Batistas têm vivido, conforme suas próprias convicções, mas em certas ocasiões eles o fizeram de maneira heróica, chegando até ao martírio. Pelas falhas, porventura havidas, devem arrepender-se e continuar com novas energias a sua missão. O filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard disse: O cristianismo começa declarando o que o cristão deve ser, e não louvando-o pelo que ele é”. E em outra oportunidade o mesmo filósofo escreveu: “Na graça há sempre perdão para o passado, mas nunca liberdade para deixar de lutar.”

Cristo, a única Esperança.
“Quem são os Batistas?”, mais uma particularidade deve ser lembrada. Os Batistas são um povo que abriga uma esperança. Eles crêem que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Os Batistas estão convictos de que não há outro nome além de Jesus Cristo, pelo qual devemos ser salvos (Atos 4:12). Eles crêem na vitória final do Senhor Ressuscitado (Mateus 25:31; I Coríntios 15:24-25; II Pedro 3:13; Apocalipse 11:15).

Igreja Batista do Bacacheri - Rua Amazonas de Souza Azevedo, nº 134 - Curitiba/PR - CEP 82520-620 - Fone/fax: (41) 3363-0327